sexta-feira, 30 de março de 2012

Casas da Costa Nova do Prado - Aveiro

Foto: M&S 
2010

Ao falar do Barco Moliceiro em Aveiro é impossível não fazer referência a estas casas da Costa Nova do Prado que fazem parte do imaginário dessa zona do pais.
São coloridas, às riscas, originais e convidativas. A última vez que passei por lá foi em 2010 e não resisto a partilhar as fotos que tirei.

Foto: M&S 
2010

Essas casas eram os conhecidos palheiros, evidenciam-se como uma construção bem típica desta região que ninguém pode deixar de admirar.
Foi depois de 1808 que essas casas de madeira tradicional portuguesa começaram por surgir após a abertura da nova barra, eram construídas sobre estacas devido ao terreno movediço que não permitia que se construí-se diretamente assente no solo. A sua construção palafítica permitia a subida das águas da ria, que inundava o terreno sem que afeta-se a habitação de igual modo permitia que a areia arrastada pelo vento pudesse passar por baixo das casas.
Tudo indica que os primeiros palheiros surgiram à beira mar para servir o modus vivendi da população local, grande parte dedicada à pesca. A função inicial desses palheiros era guardar as redes e os artigos relacionados com a atividade piscatória. Tendo inicialmente uma única divisão, com o passar do tempo e em resposta às necessidades locais as divisões interiores foram sendo aumentadas e passaram a ser a casa de alguns pescadores deslocados permanentemente, surgem desse modo novas povoações costeiras tão estudadas em antropologia e etnografia. Destaco o trabalho de Sally Cole canadiana e professora de antropologia na Universidade de McMaster que estudou as mulheres de uma comunidade costeira em Vila Chã a sua obra foi editada em 1994 e chama-se "Mulheres da praia - O Trabalho e a vida numa comunidade costeira portuguesa" da Ed. D. Quixote.
Mais tarde os palheiros foram ganhando protagonismo e a originalidade e as suas cores garridas chamavam a atenção dos mais distraídos. Foi a praia eleita por alguns intelectuais da altura como Eça de Queiroz que era frequentador do palheiro de José Estêvâo considerado um ilustre embaixador desta região.

Foto: M&S 
2010

Atualmente são uma das imagens de marca da região e do pais e completam o quadro perfeito num dos locais mais belos que temos em Portugal, perto do sítio apelidado por alguns como a Veneza de Portugal a Ria de Aveiro.  

Cole, Sally:  "Mulheres da praia - O Trabalho e a vida numa comunidade costeira portuguesa" da Ed. D. Quixote, Lisboa
http://barramar.blogspot.pt


Sem comentários:

Enviar um comentário