Avançar para o conteúdo principal

Vinho do Porto

Para o vinho do Porto só existe um copo: Cálice
Mas uma variedade de cores e sabores

É um dos produtos portugueses mais conhecidos a nível nacional e internacional e um dos mais apreciados. Podendo até ser apelidado de “precioso néctar Português” ou ainda o “Néctar dos Deuses”.
Está presente em quase todas as casas portuguesas principalmente nas casas portuenses anfitriãs do precioso néctar que brinda quase todos as cerimónias e ritos de passagem da nossa sociedade. Apreciado por todas as classes sociais, todos as idades, todos os gostos é uma bebida carregada de história e tradição que anima e alegra os mais céticos.
Este vinho é produzido na região demarcada dos vinhos do alto douro, território distinguido como património da humanidade com características muito específicas, incluindo a categoria de paisagem cultural. Os três critérios tomados pela UNESCO em 2001 foram: a produção de vinhos na região à mais de 2000 anos, cujas atividades humanas associadas moldaram e conferiram um carácter único ao território; associação a todo um modo de vida vinícola que cria um modo de vida próprio e único e uma consequente paisagem associada; a evolução da paisagem vinícola conseguindo refletir a sua evolução no decorrer do tempo. (Correia: 2005)
Nesta região estamos perante uma das mais belas paisagens de Portugal e do mundo que sobreviveu e se transformou com o tempo e os seus habitantes. É nas encostas e nos vales que penetram para o interior a partir das margens do Rio Douro que podemos apreciar essa paisagem única e encantadora que nos faz sonhar. 

Paisagem do Douro
(Fonte;http://www.rvp.pt)


O impulso deu-se principalmente no segunda metade do século XVII, com o reconhecimento internacional de viajantes e comerciantes essencialmente de origem inglesa, que se aperceberam e encantaram pelo néctar português, distinguindo-o pelas suas características singulares e únicas. Vinhos doces e densos ganham prestígio internacional e começam a ser comercializados internacionalmente e consequentemente a sua produção intensifica-se.
Decorria o ano de 1703 e o tratado de Methwen deu-se e desde então impulsionou-se a forma e o desenvolvimento viticultura duriense, começando então a crescer um amplo mercado. As vinhas multiplicaram-se dando a imagem de uma enorme escadaria rio acima onde encontramos pessoas que se aglomeram em aldeias e também grandes proprietários.
Marquês de Pombal afim de manter a qualidade e salvaguardar essa produção fundou em 1756, a Companhia Geral das Vinhas do Alto Douro conferindo-lhes poderes quase monopolísticos.
Mais tarde em 1834 restabeleceu-se a liberdade comercial vinícola, recebendo a produção grandes estímulos. 

Selo de Qualidade


Contudo o século XIX foi o mais problemático para esta atividade e sentiu-se o flagelo e a miséria de muitas famílias apesar de o vinho fino como é conhecido pelos portuenses manteve-se inalterável graças às suas características únicas e prestígio consagrado tanto no mercado interno como externo. Mais uma vez um ajustamento da regulamentação de qualidade a que é sujeito e que lhe dão um dos patamares mais altos na exportação e reconhecimento de produtos portugueses pelo mundo. 


Temos atualmente a confraria do Vinho do Porto, museu do Vinho do Porto e um mercado mundial que espera saborear o néctar único que nasce numa paisagem particular, em terrenos específicos, com um clima excecional e fundamental para a qualidade deste produto. Mas o mais importante são os braços, pés e pernas das pessoas maravilhosas que seguramente tornam este Vinho do Porto o fruto do seu amor ao trabalho, à terra e à vida neste cenário de sonho. 

Vindimas 
(Fonte;http://www.rvp.pt)

Ritual 
(Fonte;http://www.rvp.pt)


Nome: Antónia Ferreira

Data nascimento: 1810
Data morte: 1896
Dona Antónia Ferreira, mais tarde “rainha do Douro”, é uma das figuras mais importantes da história do vinho do Porto. Foi administradora da maior casa agrícola do Douro, depois de ficar viúva e assumir os negócios do marido. Foi muito empreendedora na região do Douro: construiu estradas em áreas de difícil acesso, financiou a construção de hospitais e escolas e na sequência da crise duma crise de abundância, comprou todo o vinho do Douro para ajudar os agricultores no combate aos preços baixos praticados na época. Depois da praga da filoxera, mandou replantar milhares de hectares de vinha.
(Fonte:http://cct.portodigital.pt/gen.plp=vinhos&op=culturahistoria:personalidades&sid=cct.sections/19)

O meu preferido 

Caves Porto Ferreira
Av. Ramos Pinto, 70
4400-082 Vila Nova de Gaia
Telf:223746107



Temos ainda o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto

O Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto, I. P., designado por IVDP, I. P., é um instituto público, integrado na administração indireta do Estado, dotado de autonomia administrativa e financeira e património próprio, sendo um instituto público de natureza interprofissional, nos termos do Decreto-Lei n.º 47/2007, de 27 de Fevereiro.
O IVDP, I. P., é um organismo central com jurisdição sobre todo o território nacional com sede em Peso da Régua e dispõe ainda de um serviço desconcentrado, com a designação de delegação, com sede no Porto.

O IVDP, I. P., tem por missão promover o controlo da qualidade e quantidade dos vinhos do Porto, regulamentando o processo produtivo, bem como a proteção e defesa das denominações de origem Douro e Porto e indicação geográfica Duriense.”

A rota do Vinho do Porto é também um otimo site a visitar http://www.rvp.pt

Museu do Vinho do Porto

Num armazém do séc. XVIII, dos Vinhos da Companhia Geral da Agricultura da Vinhas do Alto Douro, esta o Museu que se assume como o centro de informação do Vinho do Porto, incentivando os visitantes à descoberta da história comercial da cidade relacionando-a com o vinho do Porto.
Rua de Monchique, 45 - 52
Porto
222 076 300
222 076 309
Terça a sábado 10.00-12.30/ 14.00-17.30
Domingo 14.00-17.30
Encerra às segundas e feriados
2,06 € Gratuito ao sábado e domingo

Museu do Douro
Contactos:
Fundação Museu do Douro:
Rua Marquês de Pombal
5050-282 Peso da Régua
Telefone: 254 310 190
Fax: 254 310 199
Horário de Abertura ao público da Sede:
Das 10h00 às 18h00. As áreas expositivas encerram durante o período de almoço (das 13h00 às 14h30).
Encerra às Segundas-Feiras.
Horário de Abertura ao público da Galeria Ramos Pinto:
Das 10h00 às 12h00 e das 15h00 às 18h00.
Encerra às Segundas-Feiras.
Área de Exposições do Museu do Douro - "Memória da Terra do Vinho"Rua da Ferreirinha, 43
5050-256 PESO DA RÉGUA
Telefone: 254 324 177

Horário de Abertura ao público da expo MTV:

De Terça a Domingo, das 10h00 às 13h00 e das 14h30 às 18h00.
Encerra às Segundas-Feiras.

Preço dos bilhetes:
5€ (bilhete único, que dá acesso às exposições temporárias e à exposição permanente do Museu do Douro).
http://www.museudodouro.pt


Fica o convite 




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…