Avançar para o conteúdo principal

Museu Nacional do Azulejo


O Museu Nacional do Azulejo deve ser uma escolha prioritária entre os magníficos museus Nacionais. É considerado um dos mais importantes, pela sua coleção única. O azulejo é uma expressão artística que marca a cultura portuguesa de forma diferenciadora. O museu esta instalado num edifício singular, o antigo Mosteiro da Madre de Deus, fundado em 1509 pela rainha D. Leonor (1458-1525).

Convento Madre Deus , Museu Nacional do Azulejo 




Podemos encontrar várias coleções de azulejaria quer portuguesa que documenta toda a produção de azulejos em Portugal desde o século XV até à atualidade, quer estrangeira onde se destaca o importante núcleo de azulejaria hispano-mourisca. É neste museu que podemos encontrar a mais extensa coleção de azulejos do mundo atualmente com 7271 números de inventário. A coleção foi reunida inicialmente no Museu Nacional de Arte Antiga e em 1960 sob a coordenação de João Miguel dos Santos Simões esta coleção foi transferida para o Convento da Madre Deus. O museu teve a emancipação a 26 de Setembro de 1980 tornando-se nacional . Desde então a coleção tem aumentado com exemplares de outros museus e outras instituições do estado, gradualmente a coleção tem sido enriquecida por aquisições e doações de particulares e instituições.

Grande panorama de Lisboa Paço da Ribeira Lisboa, c. 1700 Faiança a azul sobre branco115 x 2247 cm Proveniente do antigo aplácio dos condes de Tentúgal, Lisboa MNAz, inv.º 1



Deste espaço é de destacar a Igreja toda “cosida em ouro”, as coleções únicas e singulares que nos transportam para séculos de história da azulejaria portuguesa e ainda o bar tranquilo onde podemos almoçar ou tomar simplesmente um café num ambiente diferente e mágico. 

Contactos: 
Museu Nacional do Azulejo 
Rua da Madre de Deus, 4, 1900-312 Lisboa 
Telf: (+351) 218 100 340 
Fax: (+351) 218 100 369 
E-mail: 
mnazulejo@imc-ip.pt 

Horário
: 
Terça-feira a Domingo das 10 h às 18 h
Última entrada às 17h30
Encerrado: 
Segunda-feira, Domingo de Páscoa e feriados do Ano Novo, 1º de Maio e 25 de Dezembro
Preçário: 
Bilhete Normal: 5 € 





Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bordados de Viana do Castelo

Gemeniana Branco, 29 de Março de 1917

Foi numa exposição realizada a 24 de Agosto de 1917 no artístico Pavilhão, no Campo d´Agonia em Viana do Castelo, que Gemeniana Branco deu a conhecer os seus trabalhos e que desde então dá início a uma profissionalização desta prática. Germeniana era uma jovem mulher com recursos, ligações e capacidade de iniciativa. Características que a levaram a transformar uma tarefa de uso essencialmente doméstico a uma atividade económica. Esta mulher fá-lo não só por si que dados os seus recursos não necessitava mas por princípios e valores que partilhava com mulheres como Berta Machado ou Ana de Castro Osório, que quando Portugal entrou na I Grande Guerra foram as fundadoras da Cruzada das Mulheres Portuguesas que tinha como objetivo diminuir a miséria das famílias portuguesas da altura. Foi neste contexto que Gemeniana se lança ao trabalho ajudando mulheres carenciadas no sustento das suas famílias em Viana e nos arredores. A área de produção do Borda…

Filigrana Portuguesa

Coração de Viana

A filigrana é um trabalho minucioso e ornamental que é realizado com perícia e delicadeza. É uma técnica de ourivesaria, e insere-se no tipo de ourivesaria popular, apesar de não ser específica da nossa tradição cultural encontra-mo-la noutros países e culturas, pode ser considerada uma das formas mais características das artes portuguesas. Pequenas bolas de metal e fios muito finos soldados e achatados provocando o efeito trança, de forma a obter desenhos como estes.
Cruz de Malta


Metais como o ouro e a prata são os mais trabalhados nesta arte, e estão presentes na história da humanidade nunca caindo em desuso, desde a Antiguidade até aos dias de hoje.  Recriação contemporânea de Joana Vasconcelos  


No norte do pais a tradição da filigrana continua presente nos adornos das mulheres minhotas, desde os trajes de noivas, aos trajes dos ranchos folclóricos e até no café de domingo à tarde.
Brincos Rainha

Vamos até ao 3º milénio a.c. no Médio Oriente onde a filigrana foi difundi…

Lenços

~ Foto: Nuno Reis


Os lenços de Viana como são conhecidos fazem parte do imaginário português. São coloridos na sua base onde assentam cercadura de flores grandes e coloridas destacando as quatro cores principais: vermelho, amarelo, branco e azul.



Postal antigo: Lavadeiras Viana de Castelo
“A veste organiza-se em: saia franzida, colete justo apertado com fitilho e camisa branca, sobre a qual se apõe o avental, a algibeira e o lenço. Na cabeça, colocava-se um lenço idêntico ao do peito. Nos pés, calçavam chinelas também bordadas, à maneira barroca, e meias arrendadas.” (Teixeira: Madalena Braz, O traje regional, Português eo Folclore VII )


Estão presentes ao longo da história da humanidade em vários momentos históricos: • Segundo a lenda a primeira mulher que usou um lenço foi a rainha egípcia Nefertiti no ano de 1350 a.c.; • Em 230 a.c. na China no reinado do Imperador Cheng os lenços tinham uma utilização funcional que servia para identificarem os funcionários ou guerreiros chineses; • Na R…